Microscopia do campo escuro

A microscopia do campo escuro consiste numa análise biológica direta da qualidade do sangue, em tempo real.

É feita uma observação direta das células sanguíneas, glóbulos vermelhos e o seu nível de oxidação, glóbulos brancos e a sua capacidade imunitária, plaquetas e de componentes do plasma, tais como: proteínas, fibrina, toxinas e cristais.

O Prof. Dr. G. Enderlein (1872-1968) provou, através do método Darkfield Microscopy, a relação direta entre parasitas do sangue, simbiontes, bactérias e fungos. Em particular, ele demonstrou que as doenças crónicas se desenvolvem através do “desenvolvimento ascendente” dos endobiontes (corpúsculo sanguíneo) que estão presentes em todos os seres humanos (e em qualquer outro mamífero).

O Prof. Enderlein provou que bactérias, vírus e fungos se desenvolvem dentro do organismo a partir desses endobiontes, de acordo com a saúde do meio ambiente interno (Bio-terreno). O Bio-terreno inclui a relação ácido-base no sangue, saturação de oxigénio, o conteúdo de proteína e o nível de oligoelementos, vitaminas ou a existência de muitos radicais livres, toxinas, etc.

SusanaAguas-414.jpg
WhatsApp Image 2020-09-14 at 17.35.45.jp

A microscopia de campo escuro mostra-nos o estado em tempo real das células sanguíneas, os endobiontes e o plasma sanguíneo (Sangue - Células sanguíneas = Plasma), tanto estrutural quanto funcionalmente. Pode-se até ver o desenvolvimento bacteriano e as estruturas pré-fúngicas, bem como o armazenamento inadequado de toxinas ou proteínas.

Através da deteção de estruturas que ainda não são prejudiciais, mas que se podem desenvolver em bactérias, vírus ou fungos, pode-se também começar a “reverter” o ciclo patológico, introduzindo o “desenvolvimento descendente” de bactérias, vírus ou fungos para os simbiontes saudáveis ​​normais.

Fazer microscopia de campo escuro é um importante diagnóstico preventivo.

Quem é que pode beneficiar com a análise ao sangue?

Indivíduos que tenham casos de:

- Doenças crónicas;

- Doenças do foro imunológico (autoimunes e alergias);

- Doenças cardiovasculares (colesterol, hipertensão);

- Doenças do sistema digestivo (problemas fúngicos, cândida, digestão de proteínas);

- Toxicidade (por metais pesados).

SusanaAguas-432.jpg

Como é realizada a análise ao sangue por microscopia de campo escuro?

 

Com uma picada de dedo, é retirada uma gota de sangue. Esta gota de sangue é imediatamente colocada numa lâmina de vidro e vista com o microscópio de campo escuro, especial e potente, até mil aumentos. Através de uma câmara de vídeo, pode ver-se o sangue em tempo real num monitor. Depois de olhar ao microscópio, as coisas mais importantes observadas são registadas e explicadas ao paciente. Além disso, é feita uma fotografia para uma comparação posterior do sangue, após o tratamento.